Carregando...
48 anos

Contadores experientes

Atuamos nos processos envolvidos a estratégias e projeto dos nossos clientes, adequando-os às necessidades reais e legais dos seus negócios e do seu mercado.

Quero abrir empresa Quero trocar de contador

Notícias

Notícia

Juros do cartão de crédito sobem pelo quinto mês seguido

Pesquisa da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade aponta que a taxa anual chega a 371,25%

Os juros de cartão de crédito no Brasil subiram pelo quinto mês seguido, ficando em 13,79% em maio. O acréscimo de 0,8%, aplicado à tarifa no mês passado é o maior desde junho de 2018. A taxa chega a 371,25% ao ano, de acordo com dados da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (ANEFAC).

A elevação também ocorreu com o cheque especial, que teve juros anual de 150,14%, registrado no último mês. A ANEFAC alerta para um cenário ainda mais pessimista nos próximos meses.

Os pesquisadores responsáveis pelo estudo preveem a manutenção dos altos custos para o crédito a curto prazo diante de uma conjuntura econômica de maior risco, aliada à elevação no número de inadimplentes e da taxa Selic.

Para o diretor executivo de Estudos e Pesquisas Econômicas da associação, Miguel José Ribeiro de Oliveira, é preciso tomar cuidado para não adquirir dívidas neste momento. “Inflação alta corrompendo a renda das famílias, juros altos dificultando e encarecendo o crédito, bancos mais seletivos e desemprego extremamente elevado.

Nesse cenário, a cautela é o melhor dos caminhos. O consumidor deve evitar se endividar, principalmente nas linhas de crédito de prazos muito longos, bem como aqueles em que as taxas de juros são muito mais altas”, alerta.

Oliveira também destaca a importância do bom uso dessa forma de pagamento. “O cartão de crédito é a linha de crédito mais cara que nós temos no país. As taxas de juros estão passando os 300% ao ano. Então, atualmente, ele é um bom instrumento para aqueles que sabem utilizá-lo. Comprar com a certeza de que, no vencimento, vão pagar”, explica ele, acrescentando: “o que não se pode fazer é ir rolando a dívida no cartão, pagando o valor mínimo da fatura”.

O economista da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (EESP-FGV), Alberto Ajzental, explica que esses aumentos nas tarifas do cartão de crédito são influenciados pelo desempenho da Selic, a taxa básica de juros da economia.

“Ela é a base de todas as taxas de juros dos veículos de crédito. Ela estava em 2% em fevereiro de 2021. Agora, em junho, está em 13,25%. Então, neste período, ela subiu 11,25%. Seguindo a Selic, portanto, há um movimento de aumento em todas as taxas”, pondera.

SAC DIGITAL WHASTAPP